Ciência Comportamento Curiosidades Destaque Esporte Mundo Tecnologia

Mito da Água – Michael Phelps vs Tubarão Branco

O maior campeão olímpico de todos os tempos enfrenta e sofre derrota no duelo contra o tubarão branco enfrenta o “assassino mais mortífero dos oceanos” para o Discovery Channel

Fenômeno da natação, Michael Phelps (Baltimore, 1985) encontrou um adversário mais rápido do que ele, mesmo que por apenas dois segundos. O maior campeão olímpico da história, dono de 28 medalhas, perdeu o anunciado duelo contra um tubarão branco, registrado em um programa de televisão transmitido neste domingo pelo canal Discovery Channel. Phelps, de 32 anos, admitiu que o desafio foi “um dos mais difíceis” de sua carreira, por causa da baixa temperatura da água e da alta expectativa gerada. “A revanche? Uma próxima vez… em águas mais quentes”, tuitou o nadador depois da sua honrosa derrota.

O sonho do recordista mundial dos 100 e 200 metros borboleta e dos 400 metros medley, que deixou de competir ao final da Olimpíada do Rio 2016, era nadar com tubarões, e isso virou realidade graças ao Discovery Channel, que lhe propôs participar de duas produções para seu especial Shark Week (Semana do Tubarão), uma popular atração anual produzida desde 1988 pela emissora, e que neste ano vai ao ar no Brasil entre 23 e 27 de julho. “Ter a oportunidade de entrar na água com tubarões é algo que eu sempre quis. É um sonho que virou realidade”, contou Phelps numa entrevista telefônica com vários veículos da imprensa internacional, incluindo o EL PAÍS.

No primeiro programa, chamado Escola de Tubarões, transmitido no domingo, 23 de julho, Phelps viajava às Bahamas para aprender a nadar entre essas feras. O duelo em si veio no episódio Tubarão vs. Phelps, emitido neste domingo, dia 24, e no qual o “nadador mais medalhado da história” travava uma disputa de 100 metros contra “o assassino mais mortífero dos oceanos”, segundo o material de divulgação da emissora. O resultado é que o nadador levou 38s1 para percorrer os 100 metros, e o tubarão branco demorou 36s1. Mas Phelps também desafiou outros peixes ferozes, como o tubarão dos arrecifes e o tubarão-martelo. Conseguiu vencer o primeiro, mas também perdeu contra o segundo.

Só que, na verdade, o atleta não estava nadando junto dos tubarões, para decepção de muitos dos que viram o programa. Equipado com um macacão com uma aleta para aumentar sua velocidade e sob a supervisão de especialistas e mergulhadores, Phelps nadou a mesma distância que um tubarão filmado antes. Graças aos efeitos especiais, ambos apareciam lado a lado na tela, separados por uma fileira de boias como em uma piscina olímpica, de modo que eles só se enfrentaram de forma virtual.

Revanche? Da próxima vez… água quente!

Phelps já tinha advertido antes da exibição do programa: “Não estávamos na água ao mesmo tempo, esta é a pergunta que todo mundo me faz. Eu estava a salvo, essa era minha prioridade número um”. “Fomos à Cidade do Cabo e entramos em águas abertas. Mas eu me sentia totalmente a salvo e tranquilo, tinha uns 15 mergulhadores debaixo de mim”, explicou a este jornal, ressaltando as medidas de segurança que cercaram sua incursão nas gélidas águas sul-africanas.

“Montamos uma raia de natação e, com a informação que tinham solicitado, tentamos ver com que velocidade eles nadariam se fossem em linha reta. Em alguns momentos, um grande tubarão branco poderia alcançar 25 milhas por hora [40 quilômetros por hora] e um martelo, 12 ou 14 [entre 19 e 22 quilômetros por hora].” Phelps nada a quase 10 quilômetros por hora.

Para ele o desafio, na verdade, consistia em nadar em águas abertas, algo a que não está acostumado. “Doze graus centígrados é muito diferente de 26. E eu não sou alguém que goste da água fria”, confessou o nadador, para destacar as diferenças de nadar em uma piscina ou no mar. Em todo caso, não contava em ganhar, porque os tubarões “jogam em casa”. “Eu só queria me colocar e ter a melhor oportunidade de ver com que velocidade eu conseguiria nadar e comparar isso com a velocidade de alguns dos animais que existem no oceano”, afirmou.

 

Da Redação com informações Discovery Channel - Shark Week